Dicas para manter a segurança dos alimentos oferecidos aos nossos Pets

Compartilhe:

É claro que quem ama seus animais de estimação, deseja que eles sejam saudáveis e tenham vida longa. A segurança dos alimentos destinados aos pets é essencial para manter a saúde tanto do animal quanto das pessoas que convivem com ele.

Eu adoro animais e atualmente tenho um cachorro e dois gatos. Dados de 2013 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e da ABINPET (Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação) mostram que há aproximadamente 52 milhões de cães e 22 milhões de gatos nos lares brasileiros. Isto confere ao Brasil a 2ª posição mundial em população de cães e gatos. E atualmente, é bastante provável que a população brasileira de cães e gatos tenha crescido. O faturamento do mercado pet foi de quase 19 bilhões de reais em 2016.

Nós, que prezamos nossos bichinhos, fazemos de tudo para que eles tenham boa saúde e possam conviver conosco pelo maior tempo possível. E para isso, garantir uma alimentação adequada e segura a eles é fundamental. Você sabia que o que você oferece ao seu amiguinho de estimação pode afetar tanto a saúde dele quanto a sua e das pessoas da casa? Neste artigo, não vamos abordar os aspectos nutricionais do alimento que é fornecido aos animais de estimação. Nossa intenção não é sobrepor qualquer recomendação dos médicos veterinários, mas simplesmente trazer algumas informações e dicas de higiene e segurança dos alimentos para os pets:

  1. Em primeiro lugar, antes de decidir qual tipo de alimento oferecer ao seu cachorro ou gato, verifique as opções mais adequadas para a necessidade dele, através de consulta com o médico veterinário.
  2. No Brasil, a produção de alimentos industrializados destinados à alimentação de cães, gatos e outros animais é regulamentada e fiscalizada pelo Ministério da Agricultura. Portanto, procure ler atentamente os rótulos, veja se consta no pacote o carimbo oficial da inspeção e fiscalização federal, conforme modelo abaixo:Dicas para manter a segurança dos alimentos oferecidos aos nossos pets - Selo
    Não compre alimentos onde você não possa verificar a procedência. Atenção especial deve ser dada aos alimentos a granel. Avalie a forma de armazenamento e a higiene no ponto de venda.
  3. Na hora da compra e do fornecimento do alimento ao animal, verifique a data de validade. Não dê alimentos vencidos ou com características alteradas.
  4. Oferecer alimentos crus aos animais, do ponto de vista de segurança de alimentos, não é recomendado. Isto porque bactérias patogênicas como a Salmonella e a Listeria já foram encontradas em alimentos crus para animais de estimação, inclusive naqueles embalados e vendidos em lojas. Estas bactérias podem trazer doença tanto ao animal quanto às pessoas que manuseiam este alimento ou têm contato direto com o animal. Caso você opte por oferecer este tipo de alimentação ao seu pet, lave sempre bem as mãos antes e depois de manusear o alimento; não deixe que os alimentos dos animais tenham contato com aqueles destinados ao consumo humano; evite que bebês e crianças tenham contato direto com os alimentos dos animais; lave bem os utensílios e superfícies que tiveram contato com o alimento cru.
  5. Alimentos secos podem também eventualmente conter Salmonella, embora seja bem mais raro, por suas características, e porque a grande maioria dos fabricantes conhecidos no mercado costuma ter controles bastante rigorosos contra esta bactéria e outras contaminações. Porém, para evitar contaminações em casa, a regra de lavagem de mãos que comentamos no item anterior permanece válida. Procure armazenar os alimentos dos animais longe do alcance de bebês e crianças, e sem contato com os alimentos para consumo humano. Quando for lavar os pratinhos ou potes onde o alimento é guardado, seque muito bem antes de colocar o alimento ali. A umidade pode facilitar a proliferação das bactérias. Armazene o alimento preferencialmente na embalagem original, dentro de um porta-ração ou recipiente plástico dedicado para esta finalidade, mantendo a tampa bem fechada e o saco dobrado ou fechado. Usar um pregador para segurar a abertura do saco e mantê-lo fechado pode ser uma boa estratégia. Siga sempre todas as recomendações do fabricante para o uso e a conservação do alimento do seu pet.
  6. Não ofereça nenhum alimento que apresente possível mudança no aspecto ou odor ou esteja deteriorado. Se o seu animal recusar o alimento, não o force a comer e retire o alimento. Entre em contato com o fabricante ou com o médico veterinário e tire suas dúvidas. Embora os cães e gatos não sejam tão suscetíveis a se infectar com a bactéria Salmonella, isto pode acontecer se eles já estiverem debilitados ou apresentarem previamente outro tipo de condição ou doença (ex. ser idoso, ser portador de diabetes, de doença renal, entre outras). Os possíveis sintomas da salmonelose em cães e gatos são: vômitos, diarreias (que podem ser acompanhadas de sangue), febre, falta de apetite, prostração (o animal diminui sua atividade, não quer brincar, fica deitado mais tempo do que o normal). Em qualquer sinal de alteração na saúde ou no comportamento do seu pet, leve-o o quanto antes ao médico veterinário para examinar e determinar o tratamento. Busque sempre o aval do médico veterinário para a escolha e a forma de manuseio dos alimentos que você oferecerá ao seu animal de estimação.

O que achou destas recomendações? Você já pratica estes cuidados com os seus pets em casa? Deixe um comentário e compartilhe sua experiência e seu conhecimento com nossos leitores! Até a próxima!

Fontes de pesquisa:

http://www.agricultura.gov.br/assuntos/camaras-setoriais-tematicas/documentos/camaras-tematicas/insumos-agropecuarios/anos-anteriores/ibge-populacao-de-animais-de-estimacao-no-brasil-2013-abinpet-79.pdf (acessado em 11/06/2018)
http://abinpet.org.br/site/faq/ (acessado em 11/06/2018)
https://www.cdc.gov/features/pet-food-safety/index.html (acessado em 11/06/2018)
https://www.foodsafety.gov/keep/types/petfood/index.html (acessado em 11/06/2018)

Compartilhe:

Camila Lobo Miret

Formada em Engenharia de Alimentos pela UNICAMP em 2003 e Mestre em Tecnologia Alimentar/Qualidade pela Universidade Nova de Lisboa em 2007, é proprietária da Especia Consultoria em Qualidade, empresa fundada em 2012 e especializada em consultoria e treinamento na área de segurança de alimentos e qualidade para a indústria alimentícia e de embalagens, com foco nas normas FSSC 22000, ISO 22000, ISO 9001, APPCC e BPF. Possui experiência em organismos de certificação reconhecidos, realizando trabalhos como auditora de certificação e instrutora de treinamentos em FSSC 22000, ISO 22000 e ISO 9001, e experiência na área de qualidade e segurança de alimentos em indústrias de massas secas e de produtos derivados de tomate.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *